Segunda, 25 de Outubro de 2021
33 999 509 609
Dólar comercial R$ 5,59 -1.131%
Euro R$ 6,49 -1.386%
Peso Argentino R$ 0,06 -1.292%
Bitcoin R$ 375.051,59 +4.244%
Bovespa 108.534,1 pontos +2.11%
Economia Economia

Impacto de alta da Selic nas contas públicas bancaria novo auxílio

Avanços consecutivos que elevaram a Selic a 3,5% ao ano devem custar R$ 50 bilhões aos cofres públicos

06/05/2021 02h05
119
Por: Redação Fonte: R7 - Alexandre Garcia, do R7
Títulos que variam com a Selic correspondem a 34% da dívida pública - (Foto: Enildo Amaral/BCB)
Títulos que variam com a Selic correspondem a 34% da dívida pública - (Foto: Enildo Amaral/BCB)

A decisão do BC (Banco Central) de elevar a taxa básica de juros novamente em 0,75 ponto percentual, vai trazer um impacto perverso nas contas públicas. Somado à alta anterior, o rombo chega na faixa dos R$ 50 bilhões, valor suficiente para bancar a nova rodada com quatro prestações do auxílio emergencial.

A análise leva em conta que cada aumento de 0,75 ponto percentual na taxa básica de juros tem condições de elevar a dívida pública em R$ 25 bilhões. No caso das duas altas consecutivas que levaram a Selic a 3,5% ao ano, o rombo pode alcançar os R$ 50 bilhões.

Para uma base de comparação, o custo estimado da nova rodada com quatro parcelas do auxílio emergencial destinado a mais de 45 milhões integrantes da população mais carente tem um custo estimado de R$ 40 bilhões aos cofres públicos.

Leia mais: Alta dos juros deve pressionar dívida e PIB, dizem economistas

João Leal, economista da Rio Bravo Investimentos, julga como correta a elevação da Selic e avalia que o impacto é necessário para conter o recente avanço da inflação, que superou no mês passado o teto da meta estabelecida pelo governo para o período acumulado de 12 meses.

"As duas coisas precisam ser independentes. O Banco Central não pode considerar o impacto na dívida pública nas decisões nas decisões que envolvem a política monetária. A dívida pública é administração do Tesouro", afirma Leal.

A DPF (Dívida Pública Federal) do Brasil cresceu 0,85% em março e alcançou os R$ 5,242 trilhões, de acordo com dados do Tesouro Nacional. Desse total, os títulos que variam com a Selic correspondem a um terço (33,7%) do endividamento, o equivalente a R$ 1,766,48 trilhões.

</span> <span class=R7" width="1000" />
R7 - (Foto: R7)

Segundo Leal, o aumento da taxa de juros também tem o potencial de atrai investidores para o Brasil. "Os estrangeiros estão voltando a comprar parte de dívida brasileira. E, a partir desse momento, há um espaço para o financiamento do endividamento. Então, a visão é de que essa alta traz mais benefícios do que malefícios para a economia", destaca o economista.

Diante do atual cenário econômico, a expectativa do mercado financeiro é de que a taxa básica de juros ainda suba mais 2 pontos percentuais nos próximos meses e feche 2021 no patamar de 5,5% ao ano, o que elevaria ainda mais a dívida pública em mais R$ 75 bilhões.

 

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias